Conheça um projeto arrojado de sistema de armazenamento de energia elétrica

Chegamos ao final de 2018, dizem por aí que as energias renováveis são infinitas, o mundo presencia 24% de sua matriz de energia oriunda de fontes renováveis. Tecnologias que ainda se alimentam de energias fósseis, já engatinham em direção de um futuro sustentável.



O desenvolvimento de tecnologias do transporte,  da energia elétrica e da agricultura parece andar abraçados com as energias renováveis.

Mas se estamos caminhando para este futuro, digamos “utópico”, a consequência é a demanda de energia elétrica crescer exponencialmente nos próximos anos. Certo? Exato!

Por isso, em conjunto da evolução das energias “infinitas”, cientistas, investidores e entusiastas estão estudando onde podemos armazenar toda a produção de energia que iremos precisar.

Assim, Franz Georg Pikl, estudante de doutorado no Instituto de Engenharia Hidráulica e Gestão de Água da Universidade de Tecnologia de Graz, desenvolveu um sistema que, segundo ele, promete fornecer 80% de eficiência no armazenamento de energia elétrica, e também térmica.

O sistema é híbrido, ou seja, utiliza dois ou mais métodos de tecnologia para realizar sua tarefa. Combinando o armazenamento de energia térmica, com hidráulica e o armazenamento bombeado, ele trabalha em cima de uma possível “estação subterrânea de armazenamento bombeado de água quente”. Conforme a necessidade, o sistema armazena ou fornece energia elétrica, térmica e/ou refrigeração.

A tecnologia de armazenamento bombeado

Esta tecnologia já existe e é utilizada em muitas reservas e usinas hidrelétricas, que põe em prática a tecnologia quando se há uma baixa na geração de energia hidrelétrica. Através da queda da água de um reservatório localizado em nível mais elevado para outro em nível mais baixo, ou armazenar água em nível mais elevado, através do bombeamento da água de um reservatório mais baixo para outro mais elevado.

O sistema subterrâneo de armazenamento

O sistema de Pikl coloca esta tecnologia embaixo da terra, então, o custo de espaço presente em outros sistemas de armazenamento bombeado não existe. 

Como o sistema funciona na prática

O sistema de bombeamento que move a água de um reservatório para o outro é abastecido eletricamente por energia geotérmica, solar, eólica ou biomassa da região mais próxima. Na sequência, a água segue o caminho entre estes reservatórios, conforme a necessidade. É possível entregar água quente para as residências locais, ou gerar energia de refrigeração para os prédios da região.

Assim como durante este transporte de um reservatório para o outro, há turbinas (como presente nas hidrelétricas) de geração elétrica.


Então, a transformação frequente de uma energia para a outra é o objetivo principal. Como é impossível, ainda hoje, armazenar vento ou raios solares, podemos utilizar ao máximo os recursos “infinitos” captados da natureza.

Torcemos para que a apresentação e o incentivo de projetos, como o de Pikl, se tornem comum daqui para a frente para que essa demanda, ainda cara, de armazenamento de tanta energia seja solucionada e alcance valores mais práticaveis.

Fonte e tradução: Phys.org

monitoramento de usinas solares